Qual a qualidade da água que você consome?

Qual a qualidade da água que você consome?

É fundamental se preocupar com a qualidade da água ingerida, já que se ela estiver contaminada pode causar doenças como diarreia, hepatite A, infecção intestinal, leptospirose, salmonelose, cólera entre outras.

Após ser captada de lençóis freáticos e/ou de águas superficiais, a água chegará na estação de tratamento, passando por, no mínimo, 3 processos químicos, incluindo uma desinfecção para se tornar potável. Suas características são adequadas, porém, as companhias de abastecimento somente se responsabilizam até o cavalete (entrada), após isto, a responsabilidade é do prédio ou casa. Dessa forma é fundamental a higienização correta e frequente da caixa d’água, assim como a proteção contra a entrega de insetos, roedores, morcegos e outras pragas, razão pela qual as caixas d’água devem sempre estar bem fechadas.

Já a água filtrada, é aquela que saindo da torneira, passa por um dispositivo que contém um elemento filtrante que pode ser carvão ativado, membrana ou cerâmica porosa. Esses dispositivos (filtros) precisam ser certificados pelo Inmetro e por isso cada aparelho deve obrigatoriamente possuir um SELO de DESEMPENHO, que vai avaliar 3 parâmetros:

Se reduz ou não o cloro livre
O grau de capacidade de retenção de partículas
Se possui ou não eficiência bacteriológica (capacidade de reduzir o número de bactérias)

Os filtros que alegam reduzir o cloro (“Com redução de cloro livre”) são obrigados a reduzir, no mínimo, 75% do mesmo, ou seja, pode ser que ainda reste 25% do cloro na água filtrada. Esse residual pode resultar em um sabor e odor indesejável da água, inviabilizando seu consumo em quantidades adequadas.

Para que o filtro realize sua função, seu elemento filtrante precisa estar dentro do prazo de validade indicado pelo fabricante. Além disso, bactérias provenientes da manipulação não higiênica por ocasião da troca ou do próprio filtro, como nos casos dos filtros de barro podem migrar para a água filtrada. Caso contrário, a remoção de partículas ficará prejudicada e é você que deve fazer esse controle. Outro ponto relevante sobre os filtros é que substâncias tóxicas das tubulações podem migrar para a água e não serão retidas pelo filtro. Assim, é preciso conhecer as condições do encanamento ou realizar manutenção para evitar a ingestão destas substâncias. E ainda, a pressão da água, que passa pelos filtros que estão ligados diretamente a torneira da pia, faz com que as substâncias que deveriam ser filtradas sejam “empurradas” para dentro do filtro, contaminando a água e diminuindo a vida útil do mesmo.

Por fim a água mineral natural, que se distingue das demais por ser uma água de origem subterrânea que absorve das rochas sais minerais (oligoelementos). Durante o percurso a água mineral natural passa entre os poros do subsolo e das rochas, ocorrendo a purificação da mesma. Portanto a água mineral natural não passa por nenhum tratamento químico para se tornar potável, seu processo é natural.

As fontes de agua mineral natural estão sujeitas a rigorosos controles pelo Departamento Nacional de Mineração (DNPM) e para serem classificadas como fontes devem obrigatoriamente provar que não sofrem influências externas. Essa comprovação é realizada através de análises realizadas em cada estação do ano.

No caso da água mineral natural, todo o controle passa a ser da empresa que envasa, deixando para o consumidor apenas a escolha da marca.

Adilson